Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

No comando: Ministração da palavras,Louvor e Adoração

Das 00:00 as 22:00

No comando: Felipe André

Das 08:00 as 09:30

No comando: Manhã de Benção com Pastor Marcio Prado

Das 09:30 as 12:00

No comando: Unificados em Cristo

Das 12:00 as 13:00

No comando: Tarde da Vida

Das 13:00 as 14:00

No comando: Estou na Videira

Das 14:00 as 15:00

No comando: Evangelizando as Nações

Das 15:00 as 16:00

No comando: Alvos da Graça

Das 16:00 as 17:00

No comando: Momento Juridico

Das 17:00 as 17:30

No comando: Reflexões

Das 17:30 as 18:00

No comando: Vinde Amados Meus

Das 18:00 as 19:00

No comando: Palavras de Vida

Das 22:00 as 23:00

No comando: Pr Marcelo Lins

Das 23:00 as 00:00

Variação do litro da gasolina chega a R$ 0,45

Compartilhe:
variao-do-litro-da-gasolina-chega-a-r-045-2

Preços variam de R$ 3,44 a R$ 3,89 na Capital. Reajuste da Petrobras nas refinarias foi um dos fatores para justificar aumentos.

A variação do litro da gasolina em Fortaleza é de R$ 0,45. Alguns postos da Capital aplicam os preços de R$ 3,89, enquanto outros estabelecimentos mantêm o valor em R$ 3,44.

Em um posto na rua Padre Valdevino, é possível encontrar gasolina vendida a R$ 3,59. “Os preços não foram alterados. Mas a partir de segunda-feira, mudaremos por causa do aumento nas refinarias da Petrobras”, disse o gerente da unidade que não quis se identificar. Ele explica que o preço de compra hoje das distribuidoras está em R$ 3,32. A próxima remessa que irá receber, contudo, seguirá com reajuste de R$ 3,44 a R$ 3,50. “Aplicar um preço abaixo da nota se torna impraticável. Ficamos no vermelho”, afirma.

Outro estabelecimento localizado na avenida Barão de Studart reajustou os preços nessa sexta-feira, 21, para R$ 3,89. Antes estava em R$ 3,48. A gerente Analice Paiva diz que o valor não foi motivado pela onda de ataques a ônibus em Fortaleza. “Em duas ou três ocasiões ao ano, os postos trabalham com uma margem de lucro quase zero. Querem estimular a concorrência. E como os grandes postos também começaram a passar o aumento, seguimos a tendência. Não tem relação com a violência, mas com esse reajuste da Petrobras”, explica.

O posto mais em conta, localizado na Avenida Antônio Sales, com gasolina a R$ 3,44, deve manter o preço até domingo. “Esse valor é da última remessa de combustíveis que pedi na quinta-feira, 20. A próxima que chegar ao posto já terá o aumento. Não há dúvidas que teremos de passar o valor para as bombas”, disse o proprietário.

Se a revisão dos preços dos combustíveis aplicados pela Petrobras nas refinarias fosse modificada sem eventuais repasses de distribuidoras e revendedores, a gasolina subiria em média 1,2%, ou R$ 0,04 por litro. Já o diesel teria variação de 2,9%, ou R$ 0,09 por litro.

Procurado pelo O POVO, o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado do Ceará (Sindipostos) informa que não tem a competência nem a missão de formar ou informar preços de combustíveis. “Essa função é de cada revendedor, que conhece os custos de operação da sua atividade. O mercado é livre e se autorregula”, disse a instituição.

Aumento injustificável

O aumento do preço da gasolina em Fortaleza é injustificável. Assim avalia Bruno Iughetti, especialista em petróleo e gás. “Não existe justificativa que proceda esse aumento na rede de distribuição do Ceará. Não há uma legislação que exerce controle de preços, pois o mercado é livre. Mas deve se pensar na questão da ética e do bom senso nos negócios”, afirma.

O reajuste aplicado pela Petrobras dificilmente seria sentido no mesmo dia pelo consumidor. “Não é possível reajustar o preço na refinaria na quinta-feira, 20, e repassar de imediato para as bombas de combustíveis. O aumento pode acontecer, mas isso vai depender do estoque de cada um”, argumenta.

No entanto, a alteração dos preços é precipitada. “O aumento seria aplicado com o tempo de forma fracionada, com as distribuidoras passando de maneira gradual os valores para o consumidor. A mudança ocorreu de maneira abrupta”, considera.

O especialista também explica não ter relação entre os ataques a ônibus em Fortaleza na semana e o aumento dos preços dos combustíveis. “Não vejo relação alguma entre os fatos. Não é sábio atribuir esses efeitos da problemática da ordem pública ao aumento”, finaliza.

Deixe seu comentário: